segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Cerimônia de premiação do Prêmio Açorianos acontece nesta noite

Marcelo ministra aulas nos cursos de Jornalismo e
Publicidade na UNIPAMPA. Foto: Luciano Costa
Instituído pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre em 1977, o Prêmio Açorianos é um dos mais importantes reconhecimentos artísticos do Estado. Dividido em quatro categorias (Teatro e Dança, Literatura, Música e Artes plásticas), o prêmio vai conhecer nesta noite os vencedores de 2013 na categoria Literatura. 

Entre os concorrentes, está o Profº Drº Marcelo Rocha, da Universidade Federal do Pampa. Ele concorre na categoria "Criação Literária" com o livro Ocupa Porto Alegre e Outros Contos, onde disputa o prêmio com outras quatro obras. O vencedor recebe R$ 10 mil e a publicação do livro pela Editora da Cidade.

Em entrevista ao blog Coordenação do Livo, Marcelo declarou: "É muito mais do que eu poderia imaginar ou dimensionar. Estou muito feliz mesmo. No entanto, penso, sinceramente, que a literatura não se vincula a uma ideia hierárquica de vencedores ou perdedores e, por isso, encaro a Noite do Livro, mais como uma grande festa ou celebração da leitura do que pela premiação em si. Na verdade, entendo que o maior prêmio para um escritor, antes de tudo, é ter uma interlocução a respeito de seus textos, ou seja, o maior reconhecimento para quem escreve é o diálogo livre e sincero com seu leitor."  

Confira abaixo, a lista completa dos finalistas e suas categorias:

Conto:
Essa coisa brilhante que é a chuva, de Cíntia Moscovich.
O amor é um lugar estranho, de Luís Roberto Amabile.
Recortes para álbum de fotografia sem gente, de Natalia Borges Polesso.
Crônica:
A menina quebrada, de Eliane Brum.
Beleza interior – uma viagem poética pelo Rio Grande do Sul, de Fabrício Carpinejar.
Meus livros, meus filmes e tudo mais, de Claudia Laitano.
Ensaio de Literatura e Humanidades:
A dança das palavras, de Celso Gutfreind.
Anarquia na passarela, de Daniel Rodrigues.
Rupturas instáveis – entrar e sair da música pop, de Fabrício Silveira.
Especial:
Não calo, grito: memória visual da ditadura civil-militar no RS, de Carla Simone Rodeghero, Dante Guimaraens Guazzelli e Gabriel Dienstmann.
O solo e o homem, de Eurico Salis.
Terra gaúcha e artinha de leitura, de Luís Augusto Fischer.
Infantil:
Conchas, de Hermes Bernardi Jr.
E o dente ainda doía, de Ana Terra.
Tom, de André Neves.
Infanto-Juvenil:
A menina que perdeu o trem – os fantasmas de Paranapiacaba, de Manuel Filho.
A primavera de Cecília, de Beatriz Abuchaim.
Filho de peixe, de Marcelo Carneiro da Cunha.
Narrativa longa:
O amante alemão, de Lélia Couto Almeida.
O céu pode esperar mais um pouquinho, de Maria Clara Mattos.
Solidão continental, de João Gilberto Noll.
Poesia:
Aqui jasmim, de Caroline Milman, Editora Modelo de Nuvem.
Breu rendado, de Deisi Beier.
Em defesa de certa desordem, de Celso Gutfreind.
Capa:
Mercado público: palácio do povo, capa de Clô Barcellos.
Monstros fora do armário, capa de Samir Machado de Machado.
Sete de abril – o teatro do imperador, capa de Clô Barcellos.
Projeto Gráfico:
Cirandas de Villa Lobos — reinvenções, projeto gráfico de Flávio Wild.
Palavra tem segredo?, projeto gráfico de Clô Barcellos e Ricardo Machado.
Terra gaúcha e artinha de leitura, projeto gráfico de Celso Orlandin Júnior.
Criação literária
Uma pena entre tantas, de Christina Cidade Dias de Castro.
Todos os lados da rua, de Diego Lock Farina.
O ponto cego e outros contos soturnos, de Eduardo Chaves Laurent.
Erros, errantes e afins, de Emir Ross.
Ocupa porto alegre e outros contos, de Marcelo da Silva Rocha.

Um comentário:

  1. Era importante ter colocado o local e o horário do evento. VLW

    ResponderExcluir