quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Comissão Nacional da Verdade faz primeira inspeção "in loco" do jazigo da família Goulart

Aconteceu nesta quarta-feira, 21 de agosto, a primeira perícia oficial pré-exumação do corpo do ex-presidente João Goulart. Três peritos da Polícia Federal, acompanhados de dois policiais civis da Comissão Nacional da Verdade (CNV), fizeram os primeiros cálculos e imagens para a exumação que, de acordo com familiares, será executada ainda esse ano. 

Pela manhã, foi realizada uma reunião para explicar ao povo e às autoridades de São Borja detalhes técnicos sobre a missão preparatória. À tarde, a primeira perícia oficial do túmulo onde está sepultado o corpo do ex-presidente João GoulartFoi verificado se o mesmo teve alguma abertura recente, bem como o local exato onde está sepultado João Goulart. De acordo com Amaury Júnior, chefe da equipe de peritos, também foi analisada as vias de acesso ao túmulo e registrado tudo em imagens para que seja criada uma projeção 3D da sepultura, que facilitará os trabalhos.

Se por um lado familiares e representantes da CNV buscavam os primeiros dados para esclarecer a morte do ex-presidente, por outro, alguns são-borjenses foram até o cemitério para protestar. Os mesmos são contra a exumação, alegando que o corpo não deve ser retirado de São Borja pois temem que o mesmo não retorne para cá.

"É uma preocupação que eu tenho. Os restos mortais de uma pessoa tão importante para a cidade e para o Brasil, não devem ser mexidos desta forma. Vejo com consternação este ato de levar o corpo para ser exumado em Brasília. É profundamente lamentável o que estão fazendo aqui", declarou a pedagoga Amanda Tavares. 

Outro que é contra a exumação, é Artur Dorneles, um senhor de idade avançada que ficou nas grades do cemitérios contando histórias do passado do ex-presidente. Declarou que conviveu com João Goulart desde os seus sete anos de idade. Dorneles afirmou mais de uma vez que Jango não foi assassinado pelas ditaduras, e sim traído por pessoas que trabalhavam com ele, com o objetivo de lhe tomarem dinheiro. Antes, emocionado, ele criticou viúva Maria Thereza Goulart por não ter permitido a autópsia do corpo quando o mesmo chegou a São Borja.

Porém Cristopher Goulart, neto do ex-presidente declarou ser uma ação irreversível. "É uma ação do Estado Brasileiro. Tomou grandiosas proporções na mídia. Não tem como a exumação não ser feita." Entretanto, o mesmo garantiu aos são-borjenses que os restos mortais voltarão para São Borja após a exumação e que inclusive solicitou um dia de luto oficial para a data em que João Goulart for sepultado novamente pós-exumação.

A primeira ação foi descobrir o local que o presidente estava sepultado. Com as informações do pedreiro do cemitério Jardim da Paz Vitelmo Ortiz, os peritos descobriram que o corpo de João Goulart está na segunda camada de corpos à esquerda do túmulo. 

A prova pericial, além de desmistificar o que levou o ex-presidente à morte, é uma chancela da ciência que não vai deixar dúvidas para a história. "Somente de posse dos restos mortais é que vamos descobrir se houve ou não envenenamento. Tudo estará documentado. O trabalho da perícia está sempre em cosntante evolução e não deixará dúvidas sobre a causa da morte", disse Daniel Lerner, gerente de projetos da Comissão Nacional da Verdade.  

O próximo passo será uma reunião, a ser realizada no dia 17 de setembro onde serão apresentados dados coletados hoje e, possivelmente, se marque uma data oficial para a exumação. Participarão deste encontro os peritos da Polícia Federal, representantes da CNV, familiares de João Goulart e uma comissão municipal a ser indicada pela Prefeitura Municipal de São Borja.

Confira aqui, algumas fotos da tarde de hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário